O cemitério dos anões
O cemitério dos anões
R$ 39,00
Autor(es): Marcos Mota
Tamanho: 14 x 21 cm Páginas: 200 Faixa Etária: A partir de 10/11 anos ISBN: 9788532908254 Categoria: Tema: Aventura/suspense/mistério; Narrativas fantásticas

Durante centenas de anos, os Gigantes foram inimigos dos anões alados, entre eles Le Goff, um anão albino, sagaz, de asas atrofiadas e memória privilegiada, que desejava a qualquer custo descobrir a localização do Pergaminho do Mar Morto, objeto de poder pertencente ao seu povo. Para isso empreendeu uma grande e espinhosa caminhada, usando a mentira para conseguir favores, principalmente do ingênuo gigante Arnie, com quem Le Goff aprendeu a repensar todas as crenças e preconceitos e de quem se tornou eternamente amigo.

  • Conversar com a turma sobre a literatura fantástica, discutindo a frase de Gabriel Garcia Márquez: “Penso que o fantástico é a melhor maneira de descrever o real. A realidade é tão absurda”.
  • Discutir em classe: A fantasia pode alienar o leitor, principalmente o jovem, ou pode contribuir na construção de conceitos e do pensamento lógico? Justificar as respostas.
  • Conversar sobre a estratégia do autor iniciando o livro com um grande clichê às avessas: “Uma grande inimizade”. Em seguida, refletir sobre a diversidade de personagens presente no livro (gigantes, anões, aqueônias, fadas), sobre o simbolismo desses seres e a compreensão do que podem representar na sociedade contemporânea.
  • Reler: “O pergaminho é uma espécie de narrador onisciente que sobrevive ao longo de séculos e séculos” (p.120).Pesquisar sobre os tipos de narrador na prosa de ficção, observando-os também como “estratégias” utilizadas pelo escritor para convencer o leitor da verossimilhança de seu relato.
  • Dividir os alunos em 5 grupos e pedir que cada um desenvolva um pequeno poema a partir das frases: “Quanto maior uma pessoa é, mais lentos e medidos devem ser seus movimentos(...)” p.43; “Tudo o que é original também é facilmente reconhecido(...) p.69; “Não é isso que verdadeiras amizades produzem? Transformação?” p.84; “Nossos trajes nos caracterizam.(...)” p.99; “Algumas pessoas são capazes de mudar o curso de nossas vidas. Algumas para o bem, outras para o mal”. p.112.